21/04/2024 às 08h11min - Atualizada em 21/04/2024 às 08h11min
Após quase 20 anos sem registro local, Brasil confirma caso autóctone de cólera na Bahia


Após quase 20 anos sem registros locais, o Ministério da Saúde confirmou nesta sexta (19) um caso de transmissão autóctone de cólera em Salvador (BA), o que significa que o paciente contraiu a doença na própria cidade, sem viajar a outro lugar.
 

A nota técnica assinada pela Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente informa que exames laboratoriais identificaram a bactéria causadora da doença (Vibrio cholerae) em um homem de 60 anos que não tinha viajado para países com ocorrência de cólera e nem tido contato com outro caso suspeito ou confirmado.
 

A cólera é uma doença infecciosa intestinal aguda, transmitida por contaminação fecal-oral direta ou ingestão de água ou alimentos contaminados.
 

De acordo com a nota, o homem apresentou desconforto abdominal e diarreia aquosa no mês passado. Duas semanas antes, ele tinha usado antibiótico para tratar outra doença.
 

Segundo o ministério, trata-se de um caso isolado, uma vez que não foram identificados outros registros após investigação epidemiológica realizada pelas equipes de saúde de Salvador com as pessoas que tiveram contato com o paciente.
 

O período de transmissibilidade da doença é de 1 a 10 dias após a infecção. Mas, para as investigações epidemiológicas, no Brasil está padronizado o período de até 20 dias por uma margem de segurança.
 

Dessa forma, segundo o ministério, o paciente não transmite mais o agente etiológico desde o dia 10 de abril.
 

No Brasil, os últimos casos autóctones ocorreram em Pernambuco entre os anos de 2004 e 2005, com 21 e 5 casos, respectivamente. A partir de 2006, não houve mais casos autóctones, apenas importados de países como Angola (2006), Republica Dominicana (2011), Moçambique (2016) e da Índia (2018).
 

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), de janeiro a março deste ano, 31 países registraram casos ou surtos de cólera. A região africana é a mais afetada, com 18 países.
 

Diante do cenário de casos de cólera no mundo, o ministério reforça a necessidade de os profissionais de saúde estarem sensibilizados quanto à situação epidemiológica de doença, à detecção de casos, à investigação epidemiológica e às medidas de prevenção e controle.
 

Grande parte das pessoas infectadas permanece assintomática (cerca de 75%) e, daquelas que desenvolvem a doença, de 10% a 20% têm a forma severa, que, se não for tratada prontamente, pode levar a graves complicações e à morte.
 

A prevenção e controle das doenças diarreicas agudas, como a cólera, dependem de condições adequadas de saneamento básico, hábitos de higiene pessoal e manipulação segura de alimentos.

 

 

Por Cláudia Collucci | Folhapress

NOTÍCIAS RELACIONADA
Monitoramento do glaucoma evitou cegueira em 300 mil...
Estudo aponta que 750 mil mortes ligadas a bactérias resistentes a antibióticos poderiam ser...
Vacina contra o câncer está em últimas fases de...
Após quase 20 anos sem registro local, Brasil confirma caso autóctone de cólera na...
GALERIAS
CLASSIFICADOS